(21) 2512-6461 / (21) 98478-5665 / (21) 3486-9771

Depilação a laser: como é feita, indicações, preços e dúvidas comuns

O que é a depilação a laser?

Depilação a laser é uma técnica de remoção progressiva dos pelos feita através da energia luminosa do laser. Os primeiros aparelhos para a remoção de pelos a laser surgiram na década de 1970, mas esta tecnologia foi, a princípio, ineficaz, muito dolorosa e limitada.

Porém, em 1983, Anderson e Parrisch introduziram o conceito de fototermólise seletiva (utilizado na depilação a laser), revolucionando o princípio físico do mecanismo do laser, levando a uma maior eficácia. Hoje existem diferentes tipos de laser capazes de promover a depilação progressiva.

Outros nomes

A técnica também é comumente chamada de depilação definitiva, no entanto, este nome é incorreto, pois a depilação não garante que os pelos não voltem a crescer. O melhor termo a usar é depilação de longo prazo.

Como é feita a depilação a laser

Depilação a laser - foto: Getty Images

O procedimento é realizado com o uso de um aparelho emissor de laser, imposto exatamente sobre os pelos a serem eliminados. Na depilação a laser, o alvo é a melanina, substância responsável pela coloração do bulbo e da haste do pelo, causando dano térmico mínimo ao tecido adjacente. Em pessoas muito sensíveis a dor, podemos utilizar cremes anestésicos.

Ao ser disparado o pulso de laser, ocorre a absorção dos fótons de energia pela melanina. O calor absorvido é liberado pelo bulbo e pela haste do pelo, causando uma destruição térmica das estruturas do pelo.

Os tipos de laser mais utilizados para fazer a depilação a laser são o laser Alexandrite, o laser de diodo (800nm) e o laser Nd:YAG (1064nm). De acordo com a dermatologista Teresa Noviello, estudos sugerem que o melhor é o de iodo, que tem uma eficácia maior.

A depilação a laser costuma ser dolorosa, mas hoje em dia já existem aparelhos que apresentam níveis baixos de dor. Em alguns casos podem ser utilizadas pomadas anestésicas e jatos de ar frio para aliviar a dor.

Indicações

A depilação a laser pode ser feita por qualquer pessoa que se incomode com seus pelos ou com os outros métodos de depilação, com a cera e a lâmina. Há indicações especiais para casos de foliculite (pelos encravados) tanto em virilha, que acaba manchando a região, quanto rosto, pernas ou qualquer outra região do corpo.

De uma forma geral, peles brancas com pelos grossos e escuros respondem melhor à depilação a laser, mas isso não quer dizer que quem não se enquadra nestas características, não pode fazer depilação a laser. Com o passar dos anos novas tecnologias foram criadas, até peles negras ou bronzeadas podem fazer. Dermatologistas recomendam o uso de lasers Diodo e ND YAG com pulso longo para esses casos. A exceção é para quem tem pelos, brancos, ruivos e loiros – como a quantidade melanina é pequena, ainda não há boa resposta ao tratamento para estes casos, porém podem ser tratados, só necessitam de mais sessões.

Geralmente começamos a fazer a depilação a laser logo que houver incômodo para a pessoa, mesmo em casos de pré-adolescentes. Existem casos relatados na literatura de emprego da depilação a laser em crianças mais novas que apresentavam hipertricose congênita (pelos abundantes por razões genéticas) na parte baixa das costas (região lombosacral).

A aplicação dói?

Embora, a depilação a laser cause dor, ela tende a ser bem tolerável. “Hoje, muitos aparelhos já estão modernizados. Temos como exemplo os lasers de iodo e light duet, que tem duas ponteiras: uma menorzinha, que dói um pouco mais, e uma ponteira maior, que causa menos dor, mantendo a mesma eficácia de tratamento”, disse Teresa Noviello.

Sessões de depilação a laser

Estudos sugerem que a depilação a laser de iodo são necessárias numa média de 3 a 10 sessões. Sendo assim, é indicado uma média de 5 sessões, que já conseguem resolver 90% dos pelos da maioria dos pacientes. Após essas 5 sessões, apenas serão feitas sessões de manutenção, a cada mês ou a cada três meses. Assim, esses pelos que restaram acabam reduzindo a cada sessão da manutenção.

“O número mínimo de sessões vai depender do tipo de pele: em peles mais claras nós conseguimos fazer uma fluência maior e em pelos mais escuros conseguimos eliminar mais rápido; em peles mais morenas, na maioria das vezes, temos que fazer mais sessões, mais do que 5, porque ela requer uma fluência mais baixa, para não acontecerem queimaduras na pele”, afirma Teresa Noviello.

Profissionais que podem fazer

A legislação não define quais são os profissionais aptos a aplicar a depilação a laser. No entanto, a recomendação é que seja feita uma avaliação com um dermatologista antes de iniciar o tratamento. Esse profissional pode avaliar criteriosamente sua pele e definir qual é o melhor tratamento para ela. O conselho da dermatologista Izabel Martinez é se submeter à técnica com um profissional de confiança ou em local que você conheça e confie.

Cuidados antes e depois da depilação a laser

Antes da depilação a laser o paciente não pode estar bronzeado ou ter pego muito sol nos últimos dias. Por isso, a dermatologista Teresa Noviello indica que o outono e inverno são as melhores épocas para começar a fazer a depilação a laser.

Os especialistas revelam que o paciente não pode se depilar com cera, pinça ou nenhum tipo de depilação que retire o pelo do bulbo, um mês antes da sessão de depilação a laser. “Raspar pode, porque estará cortando o pelo apenas da pele para cima, ele continua o pertuito dele até o bulbo”, disse Teresa Noviello.

Além disso, pessoa não deve se expor ao sol, deve usar protetor solar com FPS mínimo de 30 e sempre seguir as recomendações do médico. “Recomenda-se o uso de loções calmantes logo após a sessão e no período de recuperação da pele após a depilação a laser”, explica a dermatologista Márcia Linhares.

Segundo Teresa Noviello, após a primeira sessão com o laser de iodo, a pele pode ficar um pouco mais irritada e mais avermelhada. “Podem surgir pápulas perifoliculares, que são as bolinhas em volta dos folículos, porém isso tudo é normal. Em questão de 24h, ou até menos, a pele já volta ao normal”, revelou a dermatologista.

Contraindicação à realização de depilação a laser

Pessoas com infecções ativas nas áreas a serem tratadas não podem realizar a depilação a laser. Caso haja o crescimento repentino de pelos, deve ser realizada investigação hormonal anteriormente

Grávida pode fazer?

Gestantes não devem fazer a depilação a laser.

Dúvidas frequentes

Uma pessoa que tem poucos pelos ou pelos claros pode fazer apenas uma sessão para ter um bom resultado?

R: A dermatologista alerta que isso é um mito, pois pessoas com os pelos mais claros não têm bons resultados com a depilação a laser. Isso ocorre porque o laser de iodo funciona como se tivesse uma afinidade pela melanina e a maior concentração de melanina no pelo está no bulbo. Se o pelo for clarinho, ele possui menos melanina e com isso não vai atrair tanto o laser. Então fica mais difícil de retirar. “O ideal é que o pelo esteja grosso e preto e a pele seja clara. Quanto mais clara a pele, maior é a fluência que eu posso utilizar. Quanto mais preto e grosso é o pelo, mais ele vai captar o laser para a destruição do bulbo e a retirada desse pelo de forma definitiva”, indica.

Que tipo de pele sofre mais risco de ter manchas?

R: Para a dermatologista Teresa Noviello, as peles mais indicadas são as mais claras, pelos mais pretos e grossos. Então, peles morenas ou que estão bronzeadas, são peles que possuem uma maior quantidade de melanina. Sendo assim, tem uma maior probabilidade de ter manchas e até mesmo queimaduras.

Durante o tratamento, a pessoa pode se depilar?

R: “Não pode depilar com cera, pinça ou linha. Qualquer aparelho ou método que retire o pelo até o bulbo. A pessoa pode raspar ou cortar o pelo, durante as sessões de depilação. Mas ela vai percebendo na primeira sessão que já ocorre uma diminuição na velocidade de crescimento do pelo”, completa Teresa.

Possíveis complicações/riscos

Podem ocorrer hiperpigmentação e hipopigmentação (manchas escuras e claras), dor, vermelhidão, hipertricose paradoxal (o crescimento repentino dos pelos, ao invés de sua redução), irritação, coceira e formação de pequenas feridas na pele. Nesses casos o médico pode recomendar corticoides de uso local, hidratantes e antialérgicos. Caso a técnica aplicada não seja adequada, há o risco de queimaduras.

Resultados da depilação a laser

Os efeitos são vistos desde as primeiras sessões, pois a cada sessão o paciente pode observar uma área de falha de crescimento dos pelos. As áreas que melhor respondem ao tratamento são virilha, axila, barba e perna. O buço, por ter pelos muito finos, e o dorso masculino, por ter espessura maior da pele, são as áreas em que os resultados se perdem mais facilmente. O pelo fino atrai pouco a energia do laser e a espessura da pele dificulta a chegada da energia ao pelo.

“A dica que eu deixo é sempre ter uma avaliação com um dermatologista, com uma pessoa que realmente entenda e possa diagnosticar sua pele e seu pelo, para te indicar da melhor maneira possível o números de sessões e o laser específico. É sempre bom conhecer a clínica, conhecer a manutenção dos aparelhos. Isso tudo é muito importante para que se tenha um resultado eficaz e satisfatório”, disse Teresa Noviello.

Por que os pelos podem voltar?

Existem células chamadas stem cells (ou células totipotenciais) que podem produzir um novo pelo. Estas células não morrem durante a depilação a laser pois não possuem melanina, a substância responsável pela captação da energia. Algumas alterações hormonais – causadas pela gravidez, o início da menstruação e o uso de medicações – podem estimular essas células a originar novos pelos. Segundo a literatura, pode ser esperada uma redução de 74 a 84% dos pelos a longo prazo (em média 18 meses)”, explica Dra Isabel Martinez ,membro da Academia Americana de Laser e diretora da clínica Martinez.

Depilação com Laser X Depilação com Luz Intensa Pulsada

A fotodepilação com luz intensa pulsada (LIP) é menos agressivo para a retirada dos pelos e, de acordo com tipo de pele, da espessura do pelo e da tonalidade do fio é possível graduar a intensidade do espectro de luz. Em contrapartida, o laser emite energia específica para o pelo, portanto não atinge a pele e podem ser usadas energias mais altas e mais eficientes na destruição do pelo.

Fonte: Minha Vida